José Afonso, numa opinião de carretos para surf-casting...

O dia em que conheci o Zé! Na sua praia... Figueira da Foz, num encontro de um fórum de pesca...



O seu nome, dispensa quaisquer tipo de apresentações... Este é daqueles... que todos nós agradecemos a sua presença num qualquer lugar, e, se se falar de pesca, melhor ainda!
Evidente que este meu espaço, fica mais rico... mesmo que, tenha tirado o seu artigo de uma revista de pesca. E para compor melhor este artigo, nada melhor que juntar o seu vastíssimo currículo de competição....

Desde já Zé, o meu muito obrigado sempre pela tua disponibilidade!
Vai um abraço! 

Esta ficará nas minhas memórias: Até as tuas bifanas estavam o must...

Os carretos de Surf-Casting, dicas…

Os carretos de a utilizar devem ser carretos que não fiquem desequilibrados nas canas que possuímos e indicados para o surfcasting. Como características principais devem ter força, um bom enrolamento de fio na bobine e bobines largas para uma boa saída de fio.

Como conselho, sugiro que comprem carretos iguais. Este facto faz com que fiquemos com mais opções em termos de linhas a utilizar. Fica sempre mais barato comprar uma bobine suplementar que um carreto.
Devemos escolher carretos com capacidade para levar pelo menos 200/300 metros de monofilamento ou 150/200 metros de multifilamento de diâmetro que desejamos utilizar.
A qualidade de construção e dos materiais utilizados na elaboração de um carreto de surf-casting devem ser tidos em conta porque este tipo de carretos é aquele que está sujeito ao contacto com um dos elementos que maior desgaste e avarias provoca num carreto – a areia.
A estanquicidade de um carreto de srf-casting deve ser completa, para evitar a entrada de areia para as partes moveis do carreto.


Estrutura e materiais do carreto
Os carretos actuais são feitos nos mais variados materiais, desde a grafite, aos compostos de carbono, titânio, plásticos e outros.
Os materiais empregues na construção de um carreto têm grande importância, já que é a qualidade desses materiais que vai determinar a qualidade de um carreto.
Esta qualidade tem importância capital na durabilidade e funcionamentos do carreto ao longo dos tempos.
Neste sentido podemos avaliar os seguintes itens:

Corpo
O corpo do carreto porque é uma das partes que comporta no seu interior um grande número dos componentes de um carreto de pesca, deve ser construído num material resistente capaz de suportar a corrosão e desgastes provocados pelo contacto com o exterior (água do mar, areia, rochas, etc.) e o esforço e o desgaste natural provocados pela sua utilização.
Deve ser ainda feito num material que não sofra deformações e quebras, garantindo assim a durabilidade e bom funcionamento dos componentes que são colocados no seu interior.
Deve ainda garantir uma boa estanquicidade dos materiais que são colocados no seu interior.

Manivela
A manivela de um carreto deve ser ergonómica e forte de maneira a proporcionar um manuseamento confortável, com o mínimo de fadiga para o pescador, principalmente em acção de esforço.

Bobine
A bobine de um carreto deve permitir uma saída suave da linha, e na nossa escolha devemos ter atenção ao diâmetro da linha que vamos utilizar.
Na escolha também devemos ter em atenção o número de bobines suplementares que acompanham o carreto.

Travão
O travão do carreto deve ser forte, resistente e preciso, para funcionar quando for necessário.

Engrenagens
Na altura da compra de um carreto não temos hipótese de verificar a qualidade das engrenagens nem do material em que são feitas. Temos que acreditar na informação que nos é dada pelo fabricante ou então pelo vendedor.
Estas têm que ser feitas num material de qualidade superior pois são o material que sofre mais desgaste num carreto.

Rolamentos
O facto de um carreto ter muitos rolamentos não significa por si só que é um carreto de qualidade. A qualidade dos próprios rolamentos, o sítio onde são colocados e a qualidade do corpo do carreto são factores que também condicionam o bom funcionamento de um carreto.
Existem carretos no mercado com apenas três rolamentos que são máquinas fiáveis, precisas e duradouras.
Os rolamentos devem ser colocados nos pontos do carreto que rodam, sendo os seguintes locais os cruciais e importantes:
- Pinhão de ataque;
- Roda de coroa (um de cada lado);
- No sistema que garante a elevação do veio da bobine;
Outros locais em que os rolamentos garantem um melhor funcionamento do carreto:
- Punho da manivela;
- Rodízio do enrolamento do fio;
- Embraiagem (Drag);

Embraiagem (Drag)
Actualmente podemos encontrar carretos com embraiagem frontal e traseira. Neste ponto e independentemente da sua localização, que será uma questão de gosto pessoal, e o seu funcionamento é que deverá ser preciso e fiável.
A sua localização terá apenas a ver com uma melhor habituação ao seu manuseamento da parte de cada pescador.

Funcionamento do carreto
Numa loja ao manusearmos e experimentarmos um carreto, devemos ter em atenção ao seu trabalhar que deve ser suave e preciso como um relógio, sem falhas e sem ser desequilibrado. Se possível experimentar outros carretos similares e compararmos o seu funcionamento à procura de falhas ou defeitos no seu funcionamento.

Os preços
Neste aspecto actualmente, as marcas nacionais já apresentam carretos de boa qualidade e a preços mais acessíveis que algumas de marcas estrangeiras.
Devemos ainda ter especial atenção ao facto de no mercado actual existirem carretos precisamente iguais e comercializados sob marcas diferentes. Nestes casos e se não houver oferta de mais nenhum extra (bobines ou outro acessório) devemos escolher o carreto com preço mais baixo visto os carretos serem feitos na mesma fábrica, havendo apenas diferença ao nível da marca e das cores de apresentação do carreto, não havendo diferença nenhuma na qualidade do carreto.
Existem no mercado algumas (poucas) marcas que realmente têm na sua oferta carretos de excelente qualidade e que merecem ter um preço mais elevado.
Neste particular e em relação aos carretos de surf-casting podemos também optar pelos chamados carretos de bobine móvel.

Carretos de bobine móvel
Este tipo de carreto é muito utilizado no Norte da Europa e em relação aos carretos de bobine fixa tem as seguintes vantagens:
- Permitem fazer lançamentos mais longos com fios de diâmetro mais elevado, devido ao baixo atrito produzido pelo fio a sair da bobine e ao tocar nos passadores na cana;
- Têm um poder de atracção mais elevado que o tradicional carreto de bobine fixa;

Os principais problemas na utilização deste tipo de carreto são;
Algumas dificuldades na aprendizagem da utilização deste tipo de carreto;
-  Maior dificuldade na sua utilização;
-  Manutenção mais difícil e elaborada;
- São carretos mais sensíveis à areia e à água salgada; 
- Mudança de bobine difícil de fazer no local de pesca.


Fonte: Jornal da Pesca

Comentários

José disse…
Obrigado Pedro.
É sempre gratificante receber estes elogios de outros colegas pescadores.

Ps: Quanto às bifanas, se quiseres aparecer, no dia 19 de Março vai haver repetição,.
Pedro Galante disse…
De nada Zé! Gratificante é ler-te e ouvir-te... não existem muitos com a tua disponibilidade... Por isso, obrigado uma vez mais!

Quem sabe, as bifanas...!!!!!

Grande abraço
Anónimo disse…
Estou na linha de Sintra e sou apaixonado pela PESCa, toda ela, como tal de quando em quando ando por aqui à procura de comentários
Assim solicitava aos carissimos uma ajuda de como se devem utilizar os iscos e para que águas
um abraço
M.Graça
Anónimo disse…
BOAS, GOSTARIA DE DEIXAR AQUI UMA PERGUNTA SOBRE UM DETERMINADO CARRETOS VISTO SER APONTADO COMO O MELHOR CARRETO DE SURFCASTING PARA LONGOS LANÇAMENTOS E QUE AQUI NA EUROPA POUCO OU NADA SAO UTILIZADOS O NOME DELE É " ALVEY " SERÁ QUE ME PODEM ELUCIDAR.
OBRIGADO