Avançar para o conteúdo principal

Uma recordação...

 Decorria o ano de 2008, quando pela primeira vez, decidimos ir à Galiza à bóia. Um pouco às escuras, enverdamos por um pesqueiro nunca antes explorado por nós. Dei com o peixe assim que lá cheguei, mas foi sol de pouca dura... Só ao final do dia, é que voltei a sentir qualquer coisa mais. Nada de extraordinário, mas, para o efeito, foi muito bom.
Na companhia do Humberto e do Telmo, deixo as fotos para confirmar o bom ambiente... e o local de sonho!






Comentários

Pedro Nunes disse…
Isso é k foi um bom dia de pesca, as vezes bem melhores k akeles dias em k apanhamos mais peixe...
E umas fotos ajudam sempre a recordar...
Abraço
Pedro Galante disse…
Olá Pedro!
Obrigado pela mensagem.
Muitas das vezes, vou às pastinhas do pc, e recordo com satisfação alguns momentos dos que passei. Este é um deles, visto que nunca tinha tirado até então, uns sargos mais abonados à bóia.

Abraço
Humberto disse…
Como se costuma dizer "recordar é viver" sem dúvida nenhuma momentos fantásticos que passamos lá em Espanha. Não tarda muito voltamos lá novamente e espero que com mais sorte ;)

Grande Abraço,
Humberto.
Pedro Galante disse…
Humberto, não demores, apesar de andares a "falar" de barriga cheia :)


Grande abraço para ti

Mensagens populares deste blogue

José Afonso, numa opinião de carretos para surf-casting...

O dia em que conheci o Zé! Na sua praia... Figueira da Foz, num encontro de um fórum de pesca...


O seu nome, dispensa quaisquer tipo de apresentações... Este é daqueles... que todos nós agradecemos a sua presença num qualquer lugar, e, se se falar de pesca, melhor ainda! Evidente que este meu espaço, fica mais rico... mesmo que, tenha tirado o seu artigo de uma revista de pesca. E para compor melhor este artigo, nada melhor que juntar o seu vastíssimo currículo de competição....
Desde já Zé, o meu muito obrigado sempre pela tua disponibilidade! Vai um abraço! 

Os carretos de Surf-Casting, dicas…
Os carretos de a utilizar devem ser carretos que não fiquem desequilibrados nas canas que possuímos e indicados para o surfcasting. Como características principais devem ter força, um bom enrolamento de fio na bobine e bobines largas para uma boa saída de fio.

Sete meses depois, voltei a colocar uma cana ao alto...

Valeu a pena esperar por este dia... Acompanhado pela minha esposa, combinamos dias antes em ela me acompanhar até à Galiza no meu "regresso" à pesca, e para ela apreciar aquele magnifico lugar... pelo qual sou um incondicional apaixonado. Foi um momento aguardado com muita emoção e ansiedade... O destino foi estipulado mesmo à ultima da hora em conjunto com um Português... radicado à mais de 40 anos na Galiza e por umas coordenadas que me chegaram via sms por um amigo... Partida cerca das 3:30h de sábado. A viagem correu calma, apesar de por vezes apanhar nevoeiro intenso. A chegada deu-se por volta das 7h, com alguns inconvenientes à mistura, visto que o GPS do telemóvel não funcionou. Uma chamada de recurso, resolveu o problema, a pessoa a quem liguei, passado pouco tempo, estava junto a nós, tendo-nos guiado até aos pesqueiros... Uma água de fazer inveja, foi o que encontramos. Ele disse-me onde geralmente pescava, mas, fui de encontra os pesqueiros dele, e disse-lhe que go…

A visão dos peixes

Andar uma milha com sapatos de alguém, não é fácil. É mesmo muito difícil, se esse alguém pertence a uma espécie diferente. Precisamente, entender o ponto de vista, é o que o moderno pescador amador necessita para um bom dia de pesca.
No dia a dia de pesca internacional de competição, seja amigável ou formal, a diferença entre gabar-se das da sua captura, e regressar a casa de mãos vazias, pode ser tão simples como conhecer algo que os seus amigos pescadores não sabem, dispondo assim de uma vantagem.
Esta diferença de conhecimento pertencerá cada vez mais, a quem se identifique com o mundo sensorial do peixe, entendendo em termos básicos, o que o peixe faz, e porquê.
Não é tarefa fácil atingir aquele objetivo, porque é necessário abandonar conceitos bem instalados.
O primeiro conceito errado, é que os peixes sentem o seu mundo, como os humanos nadando debaixo de água.


Para ler artigo completo, clique em "ler mais"