novembro 11, 2009

Escrevendo um pouco sobre iscas...

Até aos dias de hoje, não se provou cientificamente que a isca A, B, ou C etc. seja melhor que a X, Y, Z etc.
Ao longo dos anos, a experiência por nós adquirida, vai-nos levar a duas ou três hipóteses que com toda a certeza seleccionaremos. Com elas, iremos apostar fortemente muitas e longas jornadas de pesca.
O Robalo é um predador por excelência, tem o hábito de se “atirar” a tudo quanto mexa (e não só) à sua frente.
Quando falamos em iscas “mortas”, aí, temos uma série delas que servem na perfeição para seu alimento, como exemplo, posso mencionar algumas: Chocos, Lulas, Sardinha, etc. Uma nota importante, sempre que forem pescar, apostem sempre em iscas bem frescas, e os anelídeos, sempre vivinhos. Não é que por vezes não sejamos surpreendidos com uma ou outra captura com “iscas” já num estado elevado de decomposição, mas fresco é fresco…
Sempre que amanho um Robalo, tenho a curiosidade de ver o que trás dentro do seu Buxo, e a surpresa muitas das vezes está lá. Já encontrei Navalheiras, Chocos, Polvos, Lulas, Caranguejos verdes, Camarões, Teagem, etc. enfim, uma variedade enorme de alimento pelo qual o Robalo não se faz rogado na hora de se alimentar.
Escrevendo um pouco sobre a minha isca de eleição de fundo (Amêijoa branca viva). Até hoje, e todos os peixes que amanhei, nunca vi este marisco no buxo de nenhum, mas este bivalve, nunca o dispenso (sempre que encontro) na pesca de fundo. Que me lembre, com a Amêijoa, assisti a uma das maiores pescarias feitas em plena praia.
Agora, e num conceito de pesca diferente, numa pesca mais para seleccionar do que para a quantidade, aí sim, poderão algumas iscas fazer alguma diferença. Dando alguns exemplos: Iscadas generosas de (lombos ou inteiras) Sardinha, Chocos inteiros, a celebre Lula de Bico, passando pelo Raio de Polvo, entre outros, estas, com toda a certeza, e numa utilização intensa, mais tarde ou mais cedo poderão dar os seus “belos” frutos.
Falando na pesca de bóia ao Robalo, sem dúvida que o Camarão vivo é um isco universal e com provas mais que dadas, mas, o Pilado, quando os “Burros” lá andam, torna-se na isca caso sério…
A pesca (principalmente a de praia) tem muito que se lhe diga, e, só com alguns anos de experiência e muita PERSISTÊNCIA, é que podemos chegar onde queremos. A isto tudo, temos que ter a dita SORTE sempre do nosso lado. Este é um factor demasiado importante na pesca, mesmo que muitos discordem.

2 Comentários:

António Matos disse...

Um bom artigo Pedro, obrigado por partilhares.

abraço

Pedro Galante disse...

Obrigado pela mensagem António!
Esta questão das iscas, numa conversa de "taverna", pode durar horas a fio... tentei apenas de uma forma sintetizada, dizer alguma coisa para utilidade de alguns mais curiosos.

Grande abraço

> Ir ao Fundo Ir ao Topo