Avançar para o conteúdo principal

Pensamentos de um pescador...

Com a falta de relatos, vou preenchendo o meu espaço com algo que me diz muito... a escrita da Mara. Deixo aqui um trecho que ela me dedicou...
Do livro: Abre a porta e leva-me... pelos refúgios de uma Veneza de Portugal.

Quando estou a pescar, sinto uma serenidade enigmática.
Por vezes, sinto um bichinho nervoso a pulsar dentro de mim.
Porque pescar, para mim é um prazer, uma mistura de adrenalina e uma placidez silenciosa. Uma quietude, que me permite evocar o meu íntimo.
Nesses momentos, a vida passa-me à frente dos olhos, como uma película de um filme. O filme da minha vida…
Percorro estradas, entro num beco sem saída, perco-me em labirintos, sinto-me só.
Vejo-me num barco, onde os remos se perderam e eu estou ali, à espera de um salvamento desta angústia que me afoga.
Mas num dia, a princesa encantada desperta de um sono profundo e procura-me. Venço as minhas batalhas e vou ao seu encontro.
O sol aquece, o dia nasce, a luz tonifica o céu, a paixão amadurece, e a Vida

torna-se poesia.
Aqui, ou em qualquer outro lugar onde pesco, ouço os meus pensamentos. Num doce afago, penso no que a minha vida poética me trouxe.
Sinto-me embalado e a adrenalina aumenta, sinto-me rejubilado e aguardo…
Fecho os olhos, respiro fundo, liberto todos os sentidos. De repente, sinto peixe. Fico nervoso, naquela luta desigual. Fito a água insistente, mas não desisto. Sigo-o, sem me resignar ao seu duelo. O combate termina, com sucesso.
Agora descanso. Sinto-me bem. Regresso aos meus pensamentos…
Sobre o meu braço, num movimento ténue, sinto a tua mão. De súbito ouço a tua voz. Faz-me chorar. Tocas-me, enxugas as minhas lágrimas de sal e dizes-me ao ouvido: Estou bem.
Volto à serenidade com que cheguei e regresso ao meu porto de abrigo.
À minha espera, tenho-as à minha espera. Agora não tenho só uma princesa, tenho três. São elas que me mostram que a Vida não é lodo, mas sim fonte de existência, de jardins onde a primavera perdura. É hora de florir.
O maestro sacode a batuta e a música rompe a minha vida poética, e todos dançamos ao som de um amor único…

Comentários

Humberto disse…
Pensamentos que não deixam ninguém indiferente... Os meus parabéns, adorei.

Aquele Abraço,
Humberto.
Fermíntxo disse…
Me temo que muchos de nosotros(pescadores)tenemos pensamientos similares..
La pesca hecha poesía..
SALUDOS.
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Pedro Galante disse…
Hola!
Creo que sí. Especialmente aquellos que hacen de este deporte, un momento de ocio.

Gracias

Saludos

Mensagens populares deste blogue

José Afonso, numa opinião de carretos para surf-casting...

O dia em que conheci o Zé! Na sua praia... Figueira da Foz, num encontro de um fórum de pesca...


O seu nome, dispensa quaisquer tipo de apresentações... Este é daqueles... que todos nós agradecemos a sua presença num qualquer lugar, e, se se falar de pesca, melhor ainda! Evidente que este meu espaço, fica mais rico... mesmo que, tenha tirado o seu artigo de uma revista de pesca. E para compor melhor este artigo, nada melhor que juntar o seu vastíssimo currículo de competição....
Desde já Zé, o meu muito obrigado sempre pela tua disponibilidade! Vai um abraço! 

Os carretos de Surf-Casting, dicas…
Os carretos de a utilizar devem ser carretos que não fiquem desequilibrados nas canas que possuímos e indicados para o surfcasting. Como características principais devem ter força, um bom enrolamento de fio na bobine e bobines largas para uma boa saída de fio.

Enguias de viveiro

Aproveitando mais uma bela almoçarada (arroz de Lampreia) na marinha da Boca Torta, no final, uma das pessoas que lá trabalha, deu-nos a oportunidade de ver algumas Enguias que por lá habitam.

































Sete meses depois, voltei a colocar uma cana ao alto...

Valeu a pena esperar por este dia... Acompanhado pela minha esposa, combinamos dias antes em ela me acompanhar até à Galiza no meu "regresso" à pesca, e para ela apreciar aquele magnifico lugar... pelo qual sou um incondicional apaixonado. Foi um momento aguardado com muita emoção e ansiedade... O destino foi estipulado mesmo à ultima da hora em conjunto com um Português... radicado à mais de 40 anos na Galiza e por umas coordenadas que me chegaram via sms por um amigo... Partida cerca das 3:30h de sábado. A viagem correu calma, apesar de por vezes apanhar nevoeiro intenso. A chegada deu-se por volta das 7h, com alguns inconvenientes à mistura, visto que o GPS do telemóvel não funcionou. Uma chamada de recurso, resolveu o problema, a pessoa a quem liguei, passado pouco tempo, estava junto a nós, tendo-nos guiado até aos pesqueiros... Uma água de fazer inveja, foi o que encontramos. Ele disse-me onde geralmente pescava, mas, fui de encontra os pesqueiros dele, e disse-lhe que go…