Avançar para o conteúdo principal

Galiza, a primeira vez este Outono/Inverno...

Finalmente a primeira viagem até à Galiza neste “Inverno”, sábado, dia 12 de Dezembro. A partida deu-se por volta das 4:30h da manhã. Uma viagem sem sobressaltos, apenas a ânsia de olhar e participar no bailado de lançamentos para aquela magnifica água…
A chegada deu-se por volta das 7:45h. Alguma indecisão inicial, pois éramos quatro, e tudo indicava que nos iríamos separar em dois grupos de dois cada. Mas acabamos por ficar todos no mesmo pesqueiro. A manhã estava fantástica, sem vento, como a pesca de bóia gosta, e uma cor de água para fazer raiva. Café de termo ainda quentinho, tomamos antes de iniciar a caminhada até ao local.
Chegados lá, ainda com a maré ainda um pouco baixa, depois de todos terem feito as suas montagens e esticado as respectivas canas, era hora de lançar; uma, duas, três, quatro bóias na água, com as mais diversas iscas (Caranguejo de Larga, Percebas, Mexilhão, Camarão etc.) a encher o anzol de cada um. Primeiros lançamentos, nada de toques. O mar começa a puxar um pouco mais com a subida de maré, nota-se uma certa força nele, onde a corrente e as vagas cheias de vigor eram notórias. Mais ou menos uma hora depois, ferro um Sargo, mas este, solta-se. Apesar de tudo, era bom presságio, o peixe já tinha dado sinal… A maré avançava, e com ela, o Mar começava a pressionar-nos com alguma aproximação à altura em que nos encontrávamos (cerca de 10m), até que, uma mais puxada, dá um banho ao Telmo. Depois de ter experimentado as duas raças de Caranguejo (Pilado e de Larga) que levamos, peço uma “Gamba” ao Humberto, e inteirinha do rabo à cabeça, mas descascado, meto-o no anzol. Bem dita a hora; segundos depois, ferro um Sargo, este não se soltou, veio cá para cima (800gr), nada mau para abrir as hostilidades.
Mas na verdade, o mar estava decididamente intragável para. Eu, que tenho um senhor respeitinho por ele, e ao vê-lo daquela forma, sentia-me demasiado nervoso e nada confortável. Achamos por bem então, tentar noutro local.
Demos uma volta num outro pesqueiro, mas, decidimos voltar ao mesmo. Nunca se sabe quando eles poderiam encostar, pois o preia-mar, estava quase a ser.
Chegados ao local, desta vez separamo-nos, dois para um pesqueiro, e outros dois para o outro. Eu e o Humberto, fomos para o mesmo sítio onde tínhamos estado. O Telmo e o Paulo, rumaram a outro. Quando lá cheguei, vi que era uma autêntica aventura pescar naquele lugar, o mar não dava tréguas, mesmo assim, e de um ponto mais alto, mas um pouco afastado da água, nós dois, lá íamos pescando conforme podíamos. Entretanto, ferro um Sargo um pouco afastado da pedra e do lado em que tinha alguma margem de manobra do mar para o tirar. Peixe na mão, e, eis que olho para o Humberto, vejo-o com um ferrado, mas como estava muito perto da borda, ainda o aguentou alguns segundos, mas uma vaga mais forte, fez com que a linha fosse cortada ali mesmo. Do local que nos encontrávamos, começamos a ver a azáfama do Telmo, tinha dado com um cantinho onde eles estavam. Conseguimos ver alguns ferrados, mas nem todos vinham…
Entretanto, eu e o Humberto, demos por terminada a pesca, e fomos ao encontro dos colegas. O Paulo tinha dois, e o Telmo três, mas tinha perdido uns seis peixes. Percebemos então, o que se tinha passado, o motivo pelo qual o Telmo perdera alguns. Não era de espantar, ele estava a ferrá-los mesmo atrás de uma laje, quando a água levava já a bóia (uns bons metros) em cima da pedra, era nessa altura que eles mordiam, depois, claro, era uma aventura quase em seco, fazer vir um peixe por cima das pedras. A linha era cortada.
Pouco depois, demos por terminada as nossas lides. Eram cerca de 15:30h.
Algumas fotos, comemos, e às 16:30h, partimos de regresso a casa. Ficou a esperança de voltar muito em breve…


Não posso terminar sem agradecer aos três aconpanhantes, amigos... por mais um excelente dia de pesca, mesmo que com pouco peixe. É de louvar gente assim.

- A vocês, uma vez mais, o meu muito obrigado. Um grande abraço.



Fica a nota, todo o peixe, pesava entre as 800gr e as 1600gr.


Alguns materiais utilizados:
Canas: Hulk 7m; Tica Buffalo 7m; Power Fighting 6m.
Carretos: Shimano Stradica; Daiwa Capricorn; Shimano Twin Power.
Linhas Fluor: Sasame entre o 0,30 e o 0,35; Seguar entre o 0,33 e 0,37.
Anzóis: Sasame, vários tipos de Chinu, entre o 1/0 e 3/0.

Comentários

Humberto disse…
Foi mais um dia em grande, a ânsia de voltar aqueles pesqueiros era enorme. O mar estava com muita força, um pouco diferente daquilo que estávamos à espera de encontrar. Apesar dessas condições e do peixe não ter sido muito é caso para dizer quando é a próxima ida? O Corrubedo é assim, nunca ficamos indiferentes.
Um grande abraço a estes amigos com A grande.

Humberto.
António Matos disse…
Excelente relato Pedro, com mais ou menos peixe o propósito da viagem foi cumprido pelas fotos do mar e atrás dele(terra) a paisagem é magnifica e se a companhia foi boa brevemente lá voltas.
Essa sensação de medo/respeito que nos faz mudar de pesqueiro ainda bem que existe dentro de nós.
abraço amigo e boas festas para ti e para os teus.
Pedro Galante disse…
Humberto disse...
Foi mais um dia em grande, a ânsia de voltar aqueles pesqueiros era enorme. O mar estava com muita força, um pouco diferente daquilo que estávamos à espera de encontrar. Apesar dessas condições e do peixe não ter sido muito é caso para dizer quando é a próxima ida? O Corrubedo é assim, nunca ficamos indiferentes.
Um grande abraço a estes amigos com A grande.

Humberto.
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

Grande abraço para ti my friend, e obrigado pelo teu testemunho aqui postado!
Prepara lá as coisinhas para a semaninha entre o Natal e a passagem do ano, e reza para que o tempo dê uma ajuda…
___________________________________

António Matos disse...
Excelente relato Pedro, com mais ou menos peixe o propósito da viagem foi cumprido pelas fotos do mar e atrás dele (terra) a paisagem é magnifica e se a companhia foi boa brevemente lá voltas.
Essa sensação de medo/respeito que nos faz mudar de pesqueiro ainda bem que existe dentro de nós.
Abraço amigo e boas festas para ti e para os teus.
_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _

António, pena o mar não ter dado muito espaço… porque peixe grande, estava lá… O receio também é em proporção da Idade… o PDI não perdoa :-)
Vamos aguardar serenamente até à próxima viagem. Quem sabe, não será de arromba...
Obrigado pelas tuas palavras, para ti, e para os teus, votos sinceros de boas festas, com muita saúde!
Um grande abraço.
Anónimo disse…
Malhem neles.

O mar parecia relamente estar muito forte. As paisagens são lindas.

Grande abraço Pedro
Belos sargos! ;)


http://azoresub-bluewater.blogspot.com/

Mensagens populares deste blogue

José Afonso, numa opinião de carretos para surf-casting...

O dia em que conheci o Zé! Na sua praia... Figueira da Foz, num encontro de um fórum de pesca...


O seu nome, dispensa quaisquer tipo de apresentações... Este é daqueles... que todos nós agradecemos a sua presença num qualquer lugar, e, se se falar de pesca, melhor ainda! Evidente que este meu espaço, fica mais rico... mesmo que, tenha tirado o seu artigo de uma revista de pesca. E para compor melhor este artigo, nada melhor que juntar o seu vastíssimo currículo de competição....
Desde já Zé, o meu muito obrigado sempre pela tua disponibilidade! Vai um abraço! 

Os carretos de Surf-Casting, dicas…
Os carretos de a utilizar devem ser carretos que não fiquem desequilibrados nas canas que possuímos e indicados para o surfcasting. Como características principais devem ter força, um bom enrolamento de fio na bobine e bobines largas para uma boa saída de fio.

Enguias de viveiro

Aproveitando mais uma bela almoçarada (arroz de Lampreia) na marinha da Boca Torta, no final, uma das pessoas que lá trabalha, deu-nos a oportunidade de ver algumas Enguias que por lá habitam.

































Sete meses depois, voltei a colocar uma cana ao alto...

Valeu a pena esperar por este dia... Acompanhado pela minha esposa, combinamos dias antes em ela me acompanhar até à Galiza no meu "regresso" à pesca, e para ela apreciar aquele magnifico lugar... pelo qual sou um incondicional apaixonado. Foi um momento aguardado com muita emoção e ansiedade... O destino foi estipulado mesmo à ultima da hora em conjunto com um Português... radicado à mais de 40 anos na Galiza e por umas coordenadas que me chegaram via sms por um amigo... Partida cerca das 3:30h de sábado. A viagem correu calma, apesar de por vezes apanhar nevoeiro intenso. A chegada deu-se por volta das 7h, com alguns inconvenientes à mistura, visto que o GPS do telemóvel não funcionou. Uma chamada de recurso, resolveu o problema, a pessoa a quem liguei, passado pouco tempo, estava junto a nós, tendo-nos guiado até aos pesqueiros... Uma água de fazer inveja, foi o que encontramos. Ele disse-me onde geralmente pescava, mas, fui de encontra os pesqueiros dele, e disse-lhe que go…