outubro 02, 2009

A noite da minha ESTRELINHA...

Quarta-feira à tarde enviei um sms ao meu companheiro e amigo de pesca, a informar-lhe que no final do dia anterior, vi sair uns peixes numa das praias que costumamos frequentar. Mas durante o resto da tarde, fui pensando bem: tempo a puxar a sul, quente, apesar de lua, céu encoberto, enfim, uma noite fantástica! Mudei radicalmente de opção, vou mandar uns pilados para dentro de água… Outro sms para ele, mas não respondia. Ok, Vou sozinho…
Atravessei eram perto das 22h, montei a cana: Banax Top Power 6m; Tica Taurus 3000/4000 com linha Wiplash 0.12; bóia de 40gr com olivete de 30; estralho Seguar 0,37 com um Mustad 3/0.
Primeiros lançamentos, lixo, lixo e a corrente sem fazer jeitos de nada! Momentos depois, tenho uma visita muito especial: não sou supersticioso, mas, aquela Coruja que andou muito perto da ponteira da minha cana, trouxe-me um sinal… - sim, é verdade, eu sei… faz hoje um ano minha doce ESTRELINHA (
http://cristiana-recomecar.blogspot.com/2008/11/quando-o-mundo-te-cai-aos-ps.html?zx=a59c8dba69ef44ab). Por momentos, tive que a procurar, pois o céu estava demasiado encoberto, até que, a vislumbrei. Ali estava ela, com o seu sorriso angelical a brilhar só para mim! Um momento mágico, mas ao mesmo tempo nostálgico. Disse para ela: sei que estás bem, e, onde quer que estejas, ajudas na protecção da tua Mana, Mãmã e Papá. Enviei-lhe um beijo, agradeci-lhe, e fiz-lhe uma vénia.
Depois de mais uns lançamentos, tudo continuava na mesma. Resolvi mudar de lugar, mas foi pior a emenda que o soneto: Lixo em quantidades industriais foi o que encontrei! Uma pausa, e resolvi voltar ao mesmo sítio. Dava para ver pelo reflexo das luzes que vinham do Porto Comercial, que havia momentos que no local que tinha estado antes, a água ficava com jeito muito bom. Peguei na tralha novamente, e toca de ir para lá.
Pilado no anzol, e chumbo para dentro de água. O meu anzol, andaria perto dos 12/13 à bóia. Mais 4/5 lançamentos, e nada. Até que… a bóia deu sinal de terem atacado o Pilado, preparei-me esticando um pouco a linha, segundos depois, bóia abaixo! Ferro o peixe e sinto-o, puxava bem! Sozinho e com o capinete um pouco afastado de mim, não tenho mais nada, uma assobiadela e um berro para uma malta que lá andava, enquanto isso, o peixe já estava na minha beira. Vejo uma pessoa a correr, mas arrisquei mesmo assim, o peixe estava praticamente “morto”: Desço as pedras, e consigo segura-lo pelas guelras. Agradeci ao senhor a sua atitude. Peixe dentro da caixa (era demasiado pequena J). Por breves instantes, olhei para o Céu, e agradeci-lhe…
Lançamentos seguintes, mais dois peixes, mais pequenos, mas muito “saborosos”! Entretanto, fico acompanhado, dois conhecidos vieram para junto de mim, e ainda bem. As horas iam avançando, e ferro mais um. Dou um Pilado a um deles, pois eles não estavam virados para o Camarão. Ele, passado alguns minutos, meteu-o no anzol, e, água. Não andou muito tempo a bóia, ele ferra um, mas pouco tempo depois, foi-se, a linha do estralho, traira-o.
Eu, no meio daquela azáfama que estava a patentear, em mais um lançamento, ferro o exemplar da noite. Um teimosão estava ali ferradinho! Uns metros para lá outros para cá, e aos poucos veio vindo. Já perto, acendemos os focos e apontamos para a água, era um muito bom peixe, mas dentro de água, nunca se tem a verdadeira noção da realidade do peixe. Um dos senhores foi lá baixo, ajudando-me a colocá-lo cá em cima.
Chego perto da minha mochila, e reparo que a caixa tornara-se demasiado pequena. Por isso, o meu saco de rede (tenho-o há mais de 15 anos), iria ser estreado numa pescaria de bóia. Peixe para dentro. Dos 30 pilados que tinha levado, restavam-me apenas dois. Meto mais um no anzol à pressa, a hora de apanhar o barco aproximava-se. Lanço, não esperei muito tempo. Ataque ao Pilado, e segundos depois, bóia ao fundo! Não como o outro, mas muito teimoso também.
Para mim, já chegava. Eram cinco bestiais Robalos, para todos os efeitos, uma bela teca de peixe.
Tinha prometido, que quando chegasse a casa, abriria a porta da varanda, e iria agradecer-lhe uma vez mais… Assim fiz, depois da (porcaria) da foto da praxe e da dificuldade de colocar os peixes no frigorífico, fui à varanda e, uma vez mais, agradeci-lhe aquela noite… - Obrigado minha doce R… "
Para nós, serás sempre o nosso anjo, a nossa estrelinha do céu..."


Assim passei uma das minhas mais “emocionantes” noites de pesca à beira-mar.
Para terminar, deixo o peso do peixe maior: 3.540gr, e o total dos cinco, 9.230gr, nem mais, nem menos.

9 Comentários:

FISGOPEIXE disse...

que bela pescaria..bons peixes.. parabéns...um abraço

Sargollini disse...

Parabéns Pedro

Uma noite em grande :)

Essa estrelinha...emocionou-me!


Um abraço
Sérgio

MR disse...

Grande pescaria Pedro.

grande abraço e força ai.

bruno disse...

belos cabeçudos !! parabens! :)

Nala disse...

Ela está sempre ali, naquele momento exacto, ela sorri, brilha mais forte e dá-nos a "garra" que necessitamos em alguns momentos da nossa vida.
Naquela noite, ela apenas te mostrou o caminho e deu-te o que precisavas, para atrair o teu peixe.
Foi sem dúvida um pescaria divinal.
Um abraço da tua M

Zé Carlos disse...

Em grande amigo............que a estrelinha te acompanhe sempre! Quantos aos peixes tb são bem vindos :)

Pedro Galante disse...

Agradeço a todos a vossa participação, por isso, um grande e sentido abraço!
À Nala, obrigado por seres tão especial para NÓS!

António Matos disse...

Belo Relato Pedro, parabéns pelos peixes e pela maneira como expressaste sentimentos, emocionante.
Um abraço

Pedro Galante disse...

Obrigado António! Mas nem tudo nas nossas vidas é peixe! Esta é a realidade nua e crua. Por vezes, e infelizmente, sinto e tenho uma necessidade enorme de deitar cá para fora...

Grande abraço

> Ir ao Fundo Ir ao Topo