Avançar para o conteúdo principal

De novo a Galiza

Uma vez mais e com os companheiros do costume (Telmo e Humberto), o nosso destino foi a Galiza.Com as previsões que o Windguru anunciava (mar a rondar os 2m, céu limpo e sem vento), tudo indicava um óptimo dia para nos dedicar aqueles belos Sargos.A saída deu-se por volta das 4 da manhã. A viagem foi tranquila. Chegamos ao pesqueiro que foi escolhido pelo caminho, passava das 7h já com o dia um pouco avançado para o desejado.Ferro dois belos sargos nos meus dois primeiros lançamentos, sabíamos que estávamos com as horas de maré muito no red line, foi um facto que se constatou, pois nos lançamentos seguintes, nada mais. A nossa insistência deu mais alguns frutos, 2 Sargos para o Humberto, e o meu melhor Sargo de sempre (1.500gr), mas este com uma olivete de 10gr a correr até ao anzol.Cerca das 11h resolvemos tentar outros locais, mas sem êxito.Eram horas de recarregar baterias. Depois disto, fomos tentar a sorte no início da enchente a outro pesqueiro. As condições deste não eram as melhores, o mar encontrava-se muito instável, ora calmo, ora muito bruto. Mas alguém saiu beneficiado aqui, o Telmo ferra dois belos Sargos, 1.560gr e 1.300gr e o Humberto mais um, embora de tamanho inferior, mas com medida bem acima da média.Decidimos então voltar a mudar de sítio e fazer as últimas 3h de enchente no local que tínhamos estado de manhã. Chegados lá, vimos que o mar estava muito inconstante e com condições muito precárias para se pescar com o peão e até com uma chumbadinha. Mesmo assim, consegue-se ferrar mais meia dúzia de Sargos mas só na altura em que o mar dava alguma trégua de água.

























































































































































Terminada a sessão, eram horas de regressar, cansados, mas felizes! Ali, todos os problemas do dia a dia são esquecidos, ali sentimo-nos bem, e fica sempre a promessa de lá voltar em breve!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

José Afonso, numa opinião de carretos para surf-casting...

O dia em que conheci o Zé! Na sua praia... Figueira da Foz, num encontro de um fórum de pesca...


O seu nome, dispensa quaisquer tipo de apresentações... Este é daqueles... que todos nós agradecemos a sua presença num qualquer lugar, e, se se falar de pesca, melhor ainda! Evidente que este meu espaço, fica mais rico... mesmo que, tenha tirado o seu artigo de uma revista de pesca. E para compor melhor este artigo, nada melhor que juntar o seu vastíssimo currículo de competição....
Desde já Zé, o meu muito obrigado sempre pela tua disponibilidade! Vai um abraço! 

Os carretos de Surf-Casting, dicas…
Os carretos de a utilizar devem ser carretos que não fiquem desequilibrados nas canas que possuímos e indicados para o surfcasting. Como características principais devem ter força, um bom enrolamento de fio na bobine e bobines largas para uma boa saída de fio.

Enguias de viveiro

Aproveitando mais uma bela almoçarada (arroz de Lampreia) na marinha da Boca Torta, no final, uma das pessoas que lá trabalha, deu-nos a oportunidade de ver algumas Enguias que por lá habitam.

































Sete meses depois, voltei a colocar uma cana ao alto...

Valeu a pena esperar por este dia... Acompanhado pela minha esposa, combinamos dias antes em ela me acompanhar até à Galiza no meu "regresso" à pesca, e para ela apreciar aquele magnifico lugar... pelo qual sou um incondicional apaixonado. Foi um momento aguardado com muita emoção e ansiedade... O destino foi estipulado mesmo à ultima da hora em conjunto com um Português... radicado à mais de 40 anos na Galiza e por umas coordenadas que me chegaram via sms por um amigo... Partida cerca das 3:30h de sábado. A viagem correu calma, apesar de por vezes apanhar nevoeiro intenso. A chegada deu-se por volta das 7h, com alguns inconvenientes à mistura, visto que o GPS do telemóvel não funcionou. Uma chamada de recurso, resolveu o problema, a pessoa a quem liguei, passado pouco tempo, estava junto a nós, tendo-nos guiado até aos pesqueiros... Uma água de fazer inveja, foi o que encontramos. Ele disse-me onde geralmente pescava, mas, fui de encontra os pesqueiros dele, e disse-lhe que go…