Avançar para o conteúdo principal

Salvem as enguias

Isabel Domingos

Para os apreciadores, é iguaria rara e disputada. Em Março, quem percorre, pelo menos, a estradas do concelho de Salvaterra de Magos (distrito de Santarém) consegue encontrar enguias…

Mas é petisco controverso, quer nos aconchegue o prato ou o estômago: algum preconceito bíblico (os detractores gastronómicos dizem que são bichos semelhantes a cobras) e um grande risco de sobrevivência da espécie são ameaças. É a segunda, como é evidente, que preocupa fundamentalmente os cientistas.
A enguia é «uma espécie abandonada em Portugal», diz, sem rodeios, Isabel Domingos, do Instituto de Oceanografia da Faculdade de Ciências (FCUL). Além disso, continua a investigadora, «não se lhe dá a devida importância económica».
As ameaças que pairam sobre a espécie são variadas e podem conjugar-se. Mas as principais são a sobrepesca de meixão, a construção de barragens e açudes que lhes limitam a circulação e, ainda, o aparecimento de um parasita, um nemátode que afecta a bexiga gasosa deste peixe e que lhe dificulta a capacidade de nadar? E, por isso, de migrar, o que é fundamental para completar o seu ciclo de vida.
Na sequência de uma iniciativa do ICES (Conselho Internacional para a Exploração dos Mares), que declarou, em final dos anos 90, a enguia como uma espécie «fora dos limites biológicos de segurança», surgiu em 2007 o Regulamento (CE) 1100/2007, cujo objectivo principal é estabelecer medidas para a recuperação do stock da enguia europeia.
Cada estado-membro da União Europeia foi obrigado a elaborar um Plano de Gestão da Enguia (PGE) ao abrigo desse regulamento, o que pressupõe a implementação de medidas de recuperação para reduzir o estado crítico a que a espécie chegou. O Instituto de Oceanografia foi contactado pela Direcção-Geral de Pescas e Aquicultura (DGPA) para colaborar na elaboração do PGE de Portugal, no qual participaram Isabel Domingos e José Lino Costa.
Isabel Domingos e a equipa do Projecto Enguia Limpa, que coordenou, estudaram, durante a elaboração do PGE, o estado da enguia (contaminação por metais pesados e infecção pelo nemátode parasita) em vários sistemas salobros portugueses? A Ria de Aveiro, a Lagoa de Óbidos, o Tejo, Santo André e Mira. Concluíram que esta não era a principal ameaça para as enguias em Portugal.
A pesca ilegal de meixão (a enguia juvenil) foi identificada como um dos grandes problemas que o peixe enfrenta no nosso país. O grupo acompanhou acções da GNR em Escaroupim e Valada do Ribatejo? Duas vilas piscatórias na região do Tejo? E deparou-se com enormes redes que podem pescar vários quilos de meixão de uma só vez. É uma actividade ilegal rentável: «No princípio da safra, um quilo de meixão pode chegar aos 600 euros», explica Isabel Domingos.
O destino do meixão são aquiculturas em Espanha ou o mercado asiático (Japão, Coreia e China). Os europeus dividem-se entre o gosto pela prateada, grande (no Norte) e os que gostam da amarela (no Sul), como é o caso dos portugueses.
É difícil fiscalizar. Mas também é complicado lidar com o plano político. Faltam dados sobre a espécie em Portugal e «o PGE ainda não foi aprovado». O mal não é só nacional, no entanto. Mesmo que se trate de um regulamento comunitário, ainda há alguns países onde os PGE não foram aprovados.
E a falta de dados impede que se ponha em prática, de forma eficiente, certas exigências do regulamento. É preciso, por exemplo, «garantir a saída de 40% dos reprodutores que migrariam das nossas águas [a enguia vai para o mar, onde se reproduz, e depois regressa aos rios] numa situação sem constrangimentos para a espécie. Mas como não temos dados históricos, não sabemos quantos são esses 40%», queixa-se Isabel Domingos.
Quanto às enguias que aparecem nos pratos nacionais, já dão sinal da carestia. Quem conhece o petisco, certamente provou aquele ensopado de enguias magras: são da América do Norte. Mas também já as importamos de Marrocos. Sinais dos tempos.

Fonte: Sol online

Comentários

Mensagens populares deste blogue

José Afonso, numa opinião de carretos para surf-casting...

O dia em que conheci o Zé! Na sua praia... Figueira da Foz, num encontro de um fórum de pesca...


O seu nome, dispensa quaisquer tipo de apresentações... Este é daqueles... que todos nós agradecemos a sua presença num qualquer lugar, e, se se falar de pesca, melhor ainda! Evidente que este meu espaço, fica mais rico... mesmo que, tenha tirado o seu artigo de uma revista de pesca. E para compor melhor este artigo, nada melhor que juntar o seu vastíssimo currículo de competição....
Desde já Zé, o meu muito obrigado sempre pela tua disponibilidade! Vai um abraço! 

Os carretos de Surf-Casting, dicas…
Os carretos de a utilizar devem ser carretos que não fiquem desequilibrados nas canas que possuímos e indicados para o surfcasting. Como características principais devem ter força, um bom enrolamento de fio na bobine e bobines largas para uma boa saída de fio.

Enguias de viveiro

Aproveitando mais uma bela almoçarada (arroz de Lampreia) na marinha da Boca Torta, no final, uma das pessoas que lá trabalha, deu-nos a oportunidade de ver algumas Enguias que por lá habitam.

































Sete meses depois, voltei a colocar uma cana ao alto...

Valeu a pena esperar por este dia... Acompanhado pela minha esposa, combinamos dias antes em ela me acompanhar até à Galiza no meu "regresso" à pesca, e para ela apreciar aquele magnifico lugar... pelo qual sou um incondicional apaixonado. Foi um momento aguardado com muita emoção e ansiedade... O destino foi estipulado mesmo à ultima da hora em conjunto com um Português... radicado à mais de 40 anos na Galiza e por umas coordenadas que me chegaram via sms por um amigo... Partida cerca das 3:30h de sábado. A viagem correu calma, apesar de por vezes apanhar nevoeiro intenso. A chegada deu-se por volta das 7h, com alguns inconvenientes à mistura, visto que o GPS do telemóvel não funcionou. Uma chamada de recurso, resolveu o problema, a pessoa a quem liguei, passado pouco tempo, estava junto a nós, tendo-nos guiado até aos pesqueiros... Uma água de fazer inveja, foi o que encontramos. Ele disse-me onde geralmente pescava, mas, fui de encontra os pesqueiros dele, e disse-lhe que go…