Avançar para o conteúdo principal

Os peixes doutores...

Um estudante de Medicina Chinesa trouxe para Braga uma terapia para tratar os pés e a pele.



Era capaz de pagar para ter centenas de peixinhos esfomeados a alimentarem-se do seu corpo? Então, sente-se confortavelmente, enfie os pés no aquário de água quente e aguarde, com paciência, que 250 pequeninos ‘peixes doutores’ lhe massagem os pés. A ictioterapia, um conceito novo em Portugal, mas que tem ganho cada vez mais espaço em toda a Europa, está a dar os primeiros passos em Braga. João Silva, 23 anos, importou a ideia de Espanha e abriu o Kangal Foot Spa, em Fraião, há três meses.
Duzentos e cinquenta peixinhos comem o que está a mais nos pés

"Vi esta técnica pela primeira vez em Espanha e decidi logo que tinha que trazer o tratamento para Braga", contou à Domingo João Silva, gerente do spa. Os peixes utilizados neste tratamento de beleza são os garra rufa, originários das águas quentes de Kangal, na Turquia, e que no spa estão dentro de um aquário, com a temperatura da água a rondar os 40 graus. Conhecidos também pela alcunha de ‘peixes doutores’, pelas suas potencialidades estéticas e terapêuticas para a pele, os peixinhos minúsculos estão a ser utilizados em spas para tratamentos cosméticos e como técnica de relaxamento.
O dono do estabelecimento diz que o tratamento é indicado para pessoas de todas as idades. "Incluindo até crianças. Tanto serve para tratar a psoríase como para relaxamento", acrescenta.
Para já, apenas é possível tratar os pés, mas o tanque para tratamento de mãos e braços, até aos cotovelos, já está instalado, à espera de receber os peixes. "A ideia é fornecer o tratamento mais completo possível", acrescentou o jovem estudante de Medicina Tradicional Chinesa.

SOZINHO NO TANQUE
Os clientes sentam-se num sofá com os pés mergulhados em água quente e os peixinhos fazem o seu trabalho, que passa, segundo João Silva, "por uma esfoliação selectiva, que remove apenas as células mortas, dando, em simultâneo, uma micromassagem, que activa a circulação e hidrata a pele". Além disto, e mais do que "tirar o que não interessa", durante a remoção das peles que estão a mais os peixinhos segregam ditranol, uma enzima que contém antralina e que, diz, "é um potente hidratante e rejuvenescedor da pele".
A sensação com que se fica, depois de meia hora de tratamento é de "leveza". Quem o garante é Susana Botelho, psicóloga, de 36 anos, uma das primeiras clientes e das mais assíduas do Kangal Foot Spa. "Nunca gostei das esfoliações feitas durante a pedicura, mas este tratamento não tem nada a ver isso, é completamente diferente", garante a psicóloga, adiantando que além do cuidado da pele, a ictioterapia é também uma "excelente forma de relaxar".

FUTEBOLISTAS
Entre os principais clientes estão futebolistas, que procuram esta técnica devido ao relaxamento que proporciona. "Entre os meus clientes há jogadores que dizem já não passar sem esta massagem, pois dá uma sensação de leveza fora do normal", sublinhou João Silva.
Para garantir a higiene no tratamento o tanque é utilizado por uma pessoa de cada vez; ou seja, em cada sessão o cliente estará sozinho e os seus pés entregues aos 250 peixes garra-rufa. A cada 25 minutos toda a água do aquário é filtrada através de um sistema de ultravioleta, evitando a proliferação de bactérias ou vírus, para garantir a qualidade da água.
O tratamento para simples esfoliação e relaxamento deve ser feito, pelo menos, meia hora por mês. Nos tratamentos da psoríase, o proprietário aconselha sessões de uma hora, que devem ser feitas com maior assiduidade.
No Kangal Foot Spa, em Braga, meia hora de massagens pelos garra-rufa custa cerca de 25 euros. Os preços variam no caso dos tratamentos de psoríase, podendo uma hora de mergulho custar 29 euros.



Fonte:Correi da Manhã online

Comentários

Bonito artículo y bien redactado, Hay que ver la de beneficios que se le sacan a estos doctores, aunque cuando crezcan no me gustaría comerlos jejejee.

Un saludo Pedro
Rambling Expat disse…
Now this is something I really would like to try!

Mensagens populares deste blogue

José Afonso, numa opinião de carretos para surf-casting...

O dia em que conheci o Zé! Na sua praia... Figueira da Foz, num encontro de um fórum de pesca...


O seu nome, dispensa quaisquer tipo de apresentações... Este é daqueles... que todos nós agradecemos a sua presença num qualquer lugar, e, se se falar de pesca, melhor ainda! Evidente que este meu espaço, fica mais rico... mesmo que, tenha tirado o seu artigo de uma revista de pesca. E para compor melhor este artigo, nada melhor que juntar o seu vastíssimo currículo de competição....
Desde já Zé, o meu muito obrigado sempre pela tua disponibilidade! Vai um abraço! 

Os carretos de Surf-Casting, dicas…
Os carretos de a utilizar devem ser carretos que não fiquem desequilibrados nas canas que possuímos e indicados para o surfcasting. Como características principais devem ter força, um bom enrolamento de fio na bobine e bobines largas para uma boa saída de fio.

Enguias de viveiro

Aproveitando mais uma bela almoçarada (arroz de Lampreia) na marinha da Boca Torta, no final, uma das pessoas que lá trabalha, deu-nos a oportunidade de ver algumas Enguias que por lá habitam.

































Sete meses depois, voltei a colocar uma cana ao alto...

Valeu a pena esperar por este dia... Acompanhado pela minha esposa, combinamos dias antes em ela me acompanhar até à Galiza no meu "regresso" à pesca, e para ela apreciar aquele magnifico lugar... pelo qual sou um incondicional apaixonado. Foi um momento aguardado com muita emoção e ansiedade... O destino foi estipulado mesmo à ultima da hora em conjunto com um Português... radicado à mais de 40 anos na Galiza e por umas coordenadas que me chegaram via sms por um amigo... Partida cerca das 3:30h de sábado. A viagem correu calma, apesar de por vezes apanhar nevoeiro intenso. A chegada deu-se por volta das 7h, com alguns inconvenientes à mistura, visto que o GPS do telemóvel não funcionou. Uma chamada de recurso, resolveu o problema, a pessoa a quem liguei, passado pouco tempo, estava junto a nós, tendo-nos guiado até aos pesqueiros... Uma água de fazer inveja, foi o que encontramos. Ele disse-me onde geralmente pescava, mas, fui de encontra os pesqueiros dele, e disse-lhe que go…