Avançar para o conteúdo principal

ONDAS DE ENERGIA


Em Portugal, a produção energética no mar ainda não se impôs.
Mas no fundo pode satisfazer 20% do consumo.


HÁ MAR E MAR. Há ir e … aproveitar. Aproveitar a força das ondas, o vento que sopra sobre os oceanos e até as características de algas para produzir energia. EDP, Efacec, REN, Martifer ou Generg são algumas das empresas que querem tirar partido das potencialidades marítimas para pôr energia renovável a circular.

Para ler artigo completo, clique em "ler mais"


Os movimentos das ondas – que fazem mexer dispositivos de forma a gerar energia mecânica que pode ser transformada em energia eléctrica – e as eólicas offshore (turbinas iguais às existentes em terra mas fixadas ao fundo do mar ou flutuantes) estão entre os sistemas já anunciados. Mas há também um grupo de investigadores noruegueses a trabalhar na produção de algas que podem ser usadas para fabricar biocombustíveis.
«Estes são as três fontes onde poderá haver uma contribuição bastante significativa» para a produção energética a partir do mar, garante António Sarmento, investigador e director do Centro de Energias das Ondas (CEO), detalhando que as maiores potencialidades do país estão na costa a norte do Cabo da Roca, É aí que há as ondas e ventos mais fortes e é também aí que é mais fácil ligar os dispositivos à rede eléctrica, explica.
A par da Grã-Bretanha, Irlanda e Norte da Europa, Portugal, devido à sua posição geográfica, é dos países com melhores condições para explorar a energia do mar, que pode significar um mercado de sete mil milhões de euros. «No CEO, estimamos que podemos instalar 5 mil megawatts e produzir 20% da energia eléctrica que consumimos», assegura António Sarmento.
Pioneirismos nos Açores
Foi no final da década de 90 que surgiu a primeira experiência bem-sucedida em Portugal, também pioneira a nível europeu. Em 1999 arranca a unidade piloto do Pico, nos Açores, com uma potência de 400 quilowatts. Funciona a gora como central de demonstração.
Este é o único projecto a funcionar no país, depois de várias iniciativas que ainda não saíram do papel ou que acabaram por falhar por questões técnicas ou dificuldades financeiras.
Depois do fracasso da tecnologia holandesa AWS, ao largo da Aguçadoura, (Póvoa do Varzim), também em 2009 Pelamis, instalado no mesmo sítio pela Enersis e pela Pelamis Wave Power, acabava por ser retirado do mar. O projecto para o estuário do Douro, onde se queria replicar a unidade do Pico, também não vingou.
Em Peniche, ao largo da praia da Almagreira, a Eneólica, do grupo Lena, também chegou a testar um protótipo para aproveitar as correntes do fundo. E, em S. Pedro de Moel, o Governo criou a Zona Piloto, que virá a ser explorada pela REN.
«No Plano Nacional de Acções para as Energias Renováveis de 2010-2020, o Governo prevê para as ondas que sejam instaladas 250megawatts, que produzam por ano 437 gigaswatts/hora, o equivalente a 0,6% do consumo anual. E diz que vai ser possível fazer 75 MW em eólica offshore, equivalente a 0,3%», resume por sua vez o presidente da Associação da Energias Renováveis, António Sá Costa.

Fonte: Tabu (Sol)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

José Afonso, numa opinião de carretos para surf-casting...

O dia em que conheci o Zé! Na sua praia... Figueira da Foz, num encontro de um fórum de pesca...


O seu nome, dispensa quaisquer tipo de apresentações... Este é daqueles... que todos nós agradecemos a sua presença num qualquer lugar, e, se se falar de pesca, melhor ainda! Evidente que este meu espaço, fica mais rico... mesmo que, tenha tirado o seu artigo de uma revista de pesca. E para compor melhor este artigo, nada melhor que juntar o seu vastíssimo currículo de competição....
Desde já Zé, o meu muito obrigado sempre pela tua disponibilidade! Vai um abraço! 

Os carretos de Surf-Casting, dicas…
Os carretos de a utilizar devem ser carretos que não fiquem desequilibrados nas canas que possuímos e indicados para o surfcasting. Como características principais devem ter força, um bom enrolamento de fio na bobine e bobines largas para uma boa saída de fio.

Enguias de viveiro

Aproveitando mais uma bela almoçarada (arroz de Lampreia) na marinha da Boca Torta, no final, uma das pessoas que lá trabalha, deu-nos a oportunidade de ver algumas Enguias que por lá habitam.

































Sete meses depois, voltei a colocar uma cana ao alto...

Valeu a pena esperar por este dia... Acompanhado pela minha esposa, combinamos dias antes em ela me acompanhar até à Galiza no meu "regresso" à pesca, e para ela apreciar aquele magnifico lugar... pelo qual sou um incondicional apaixonado. Foi um momento aguardado com muita emoção e ansiedade... O destino foi estipulado mesmo à ultima da hora em conjunto com um Português... radicado à mais de 40 anos na Galiza e por umas coordenadas que me chegaram via sms por um amigo... Partida cerca das 3:30h de sábado. A viagem correu calma, apesar de por vezes apanhar nevoeiro intenso. A chegada deu-se por volta das 7h, com alguns inconvenientes à mistura, visto que o GPS do telemóvel não funcionou. Uma chamada de recurso, resolveu o problema, a pessoa a quem liguei, passado pouco tempo, estava junto a nós, tendo-nos guiado até aos pesqueiros... Uma água de fazer inveja, foi o que encontramos. Ele disse-me onde geralmente pescava, mas, fui de encontra os pesqueiros dele, e disse-lhe que go…