Dead Zones (Parte2)

As avaliações subaquáticas realizadas pela equipe de pesquisa de águas fora do noroeste do Pacífico identificaram um fenómeno novo:
- Piscinas de água com baixo oxigénio, expandiram-se a partir da plataforma continental da costa, perto das águas da costa dos estados de Oregon e de Washington. A cada Verão desde 2002, a proximidade destas zonas mortas do litoral nunca tinha sido registada.
 - Zonas costeiras mortas foram mais hipóxicas do que as piscinas de baixo oxigénio, situadas na plataforma continental.
- Áreas de hipóxia que sazonalmente pontilhavam a costa do Pacífico Noroeste, foram ligadas umas às outras por uma faixa de água com baixo oxigénio.

Até agora, o ano mais hipóxico para o noroeste do Pacífico foi 2006, quando a equipe de pesquisa descobriu uma zona morta fora de Newport - Oregon, que se estendeu por, mais ou menos, 3 mil km².
Cobrindo mais de 80% da coluna de água, esta zona morta ficou transformada num habitat repleto de peixes numa zona forrada de caranguejos e vermes marinhos mortos, anémonas e estrelas-do-mar, que acaba por parecer não mais do que um insalubre de bactérias.
Durante o Verão de 2009, as zonas mortas caracterizadas por severa hipóxia formaram-se próximas à costa na plataforma média, nas águas costeiras do estado do Oregon.


Para ver artigo completo, clique em "ler mais"


AS RESPOSTAS PODEM ESTAR NO VENTO
Porque as águas de baixo oxigénio têm-se expandido regularmente no sentido das águas costeiras?
As conclusões da equipe de pesquisa, indicam que esse fenómeno pode estar relacionado com:
- Redução do teor de oxigénio na água de baixo oxigénio que reaparece na plataforma continental.
- Ressurgência prolongada e intensificada ao longo da plataforma continental, que tem sido, por sua vez, causada por aumentos periódicos da força do vento norte. Esta força do vento norte, torna-se favorável à ressurgência e à diminuição da frequência do vento sul, favorável à subsidência
.
Durante os períodos de ressurgência prolongada, cada sucessão de ondas fertiliza mais colónias de fitoplâncton. Assim que essas colónias decaem, as águas de baixo oxigénio da plataforma continental expandem-se, perdendo mais oxigénio e movem-se no sentido da costa.
Quanto mais prolongado e intenso forem os ventos favoráveis à subsidência, mais grave a hipoxia se torna. Assim, o ano de grande hipóxia de 2006, foi dominado pelos fortes ventos norte (favoráveis à ressurgência). Em contrapartida, o Verão de 2009 foi marcado por períodos de ventos sul, propícios à subsidência, que ajudou a dissipar condições de pouco oxigénio. Portanto, a hipoxia de 2009, não foi nem tão extrema nem tão duradoura como a de 2006.
CAUSAS SUBJACENTES
Qual é a causa subjacente da diminuição do teor de oxigénio nas águas da subsuperfície fora da costa e a mudanças dos ventos costeiros?
Uma teoria aponta para grandes mudanças cíclicas na circulação oceânica e das condições atmosféricas que tem atingido o noroeste do Pacífico a cada 10 a 20 anos. Há outra teoria que defende que, a mudança climática está a reduzir o teor de oxigénio nas águas da subsuperfície fora da costa, alterando os ventos costeiros. Esta teoria é apoiada pelos efeitos previstos das mudanças climáticas e os vários tipos das mudanças das condições oceânicas e atmosféricas e também a diminuição do teor de oxigénio nas águas profundas que são observados, actualmente no Noroeste do Pacífico (as alterações climáticas podem reduzir o teor de oxigénio das águas profundas pelo aquecimento das águas superficiais e, assim, separando as águas mais profundas do contacto com a atmosfera, onde o oxigénio se origina).
No entanto, a relação entre a mudança climática e zonas mortas costeiras permanece discutível. Além disso, verifica-se que as zonas mortas aparecem num determinado ano, em parte, depende das condições meteorológicas diárias, o que é difícil de se prever.
Assim, a equipe de investigação continua a estudar os ventos, a circulação oceânica, e o momento e localização de zonas mortas costeiras.

Comentários